Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


31
Mar15

Os dias que alimentam a vida!

por chapeusechapeladas

Por vezes....
Os dias são como ouro reluzente
alguns como prata brilhante
e por meio aparecem uns diamantes de contraste diferente
mas na maior parte das vezes....
Os dias são metal ferrugento
pedra partida num determinado momento
plástico consumido e largado numa lixeira
presumidamente por estarem interligados
os dias estão longe de serem iguais
de se sentirem em plano de igualdade
e os meus dias morrem lentamente no horizonte
não tão lentamente quando eu penso
porque movem-se extraordináriamente
depressa
em especial os mais valiosos


aqueles que se deseja esquecer tardam em desaparecer
e nunca desaparecem
apesar de estarem á muito passados.
Por vezes.....
recolho amostras das desigualdades diárias
comparo-as para ver se tem o DNA igual
por estranho que pareça os dias em que chovem diamantes
são os mesmo em que chovem pedras envelhecidas
por meio existe aquele dia especial
em que todas as horas são aquecidas
por uma caixa de memória chamada cérebro
onde existem dois compartimentos diferentes
uma para as tais horas aquecidas com boas recordações
outra para as memórias geladas por maus acontecimentos
sem que tal pareça


está tudo interligado por processos que o mais inteligente desconhece
uns chama-lhe fé, outros destino
e tem aqueles que cavam dias para descobrirem
porque é que os dias são tão semelhantes
e ao mesmo tempo tão diferentes
e por instantes......
Vejo o rosto de todas as gentes
vejo os meus dias atrasados
e não evito ter esta sensação de deja-vu
este planeta já rodou tanto desde que nasci
sem que e veja como uma qualquer guru
em qualquer destes dias aprendi
que vivendo na sombra do ouro que nunca possui


na falésia da prata que nunca me encontrou
na montanha de diamantes que nunca vi
revejo-me melhor nos dias ferrugentos
porque foi neles que fui forjado
foi neles que fui criado
e se não tenho medo da solidão
tenho a certeza que nunca estive tão bem aconpanhado
sozinho comigo mesmo
respirando a ferrugem de um metal em final de prazo
sentindo que talvez, mas só talvez
num futuro próximo os meus dias possam ser
o brilho que nunca tiveram
nem que seja mesmo antes de eu morrer
só para sentir o gosto
que por vezes....
Alimenta os sonhos com que se passa por esta vida!

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D